• Subscribe to our feed
  • Subscribe via mail
Shopping Boulevard

27.02

Mais uma vez teremos um papo de viagem escrito por um amigo convidado do blog. Da última vez tivemos um post assinado pela querida Patricia Uébe Mansur Connor, que relatou sua viagem à cidade de Fredericksburg, no Texas, e a experiência no Enchantes Rock State Park  (veja AQUI).

__________________________________________________________________________________

Desta vez o papo é com o meu amigo Felipe Tilio, cara dos mais viajados que eu conheço. Toda vez que mando uma mensagem pra saber como está ele está voltando de alguma viagem ou se preparando pra ir pra algum lugar. Desse jeito!

Prepare-se que o relato dele é de quem entende da coisa. E sinceramente achei maravilhosa todas as suas abordagens, com as dicas exatas que buscamos quando vamos viajar. E o destino de Felipe foi  Bogotá, na Colômbia.

Vamos viajar com ele…

Catedral Primada na Plaza Bolívar (Foto: Meridith Kohut para The New York Times)

Por Felipe Tilio

Fora do circuito óbvio, Flórida/ NY/ Paris e Milão, Bogotá, capital da Colômbia, com seus 8 milhões de habitantes, é uma cidade repleta de encantos, mas em geral pouco conhecida dos brasileiros.

Talvez a cidade com o clima mais agradável da América do Sul, localizada a 2.600m de altitude na porção norte da cordilheira dos Andes, no braço oriental da mesma, com temperatura oscilando entre 12 e 17 graus e máximas que raramente ultrapassam os 20 graus durante todo o ano.

Na prática, um “ar condicionado à céu aberto” apesar de estar a poucas centenas de kilômetros ao norte da linha do Equador.

Isso sem falar no custo de vida bastante em conta, mesmo considerando a última desvalorização do real.

As principais atrações, todas no centro histórico da cidade: Museu Botero (gratuito), Plaza de Bolívar e Museo Del Oro.

Imprescindível também a subida no plano inclinado (~30 reais), o Cerro de Monserrate, de modo a desfrutar do visual mais bonito da cidade!

Plaza de Bolivar. Texto e fotos: Felipe Tilio

Vista do Cerro de Monserrate, o visual mais bonito da cidade.

Bogotá dispõe de uma ampla estrutura de hotéis, com preços bem convidativos. As grandes cadeias, em sua maioria, presentes na cidade não ganham em nada para os hotéis locais independentes, como por exemplo o Hotel Rosales Plaza, localizado na badalada Zona G, bairro encantador repleto de bons cafés e restaurantes.

Aí se encontra o refinado restaurante El Cielo, do criativo chef JuanMa, e o recém inaugurado hotel Four Seasons Castanyolas, que também possui um café-restaurante bem interessante.

Outro bairro no mesmo padrão é a Zona T, com seu sofisticado comércio (Burberry, Zara, Cartier, Coach, entre outras) e amplas ruas arborizadas. Nele se encontra o restaurante Club Colômbia, especializado em comida típica colombiana. Não deixe de provar as “carimanholas’, bem como as empanadas locais.

A Colombia em geral é muito rica gastronomicamente. E por ser a capital do país, Bogotá concentra a culinária de todas regiões, o que explica a grande diversidade gastronômica da cidade.

Também próximo, outro restaurante que vale a visita é o Bistrô El Bandido, que apesar das 3 filiais, o original é de longe o mais charmoso. Fica um pouco escondido em uma transversal da Carrera 7, numa pequena rua repleta de antiquários (Calle 79b).

Se não consegue ficar sem uma massa, o La Fabbrica – no Parque la 93 – é a pedida.

Depois dessa viagem, fica difícil retornar para o nosso verão abrasador.

Para os amantes das frutas, Bogotá e o país em geral, é um paraíso. Diversas frutas tropicais são vendidas em todos os cantos da cidade. Artesanato com bom preço na feira de Usaquén.

As paletas de Bogotá são um espetáculo à parte. E claro que meu amigo não esqueceu de registrar quando se deparou com uma gelateria artesanal com meu nome.

Dicas:

– Cambio: Troque reais no aeroporto Eldorado, mas utilize o câmbio fora do desembarque, no hall externo, depois que passar pela alfândega. Aí pode-se conseguir o câmbio a mais ou menos 650 pesos por real.

– Comida: Só como referência, um almoço pra dois, regado a um bom vinho Pinot-noir e com o melhor creme brulèe do mundo de sobremesa, fica por 200.000 pesos, no El Bandido (algo em torno de R$ 300).

– Compras: Tem também um outlet para quem não consegue voltar sem um tênis novo. Fica no caminho do aeroporto: o Aules de América.

– Artesanato com bons preços: feira de Usaquén ou tendas próximas ao Museu do Ouro.

– Fora de Bogotá: catedral de sal de Zipaquira (meio dia para a visita) onde avista-se uma das casas de Pablo Escobar no caminho.

_________________________________________________________________

Amei as dicas e as experiências de Felipe (Obrigada, amigo!!). E como ele já viajou bastante neste início do ano e certamente tem outras mais previstas, esperamos contar com mais de suas dicas!!

comente!

11.05

Adoro falar de viagem, vocês sabem, e tenho amigos que são viajantes apaixonados e descobrem lugares maravilhosos. Mas, além de descobrir, eles compartilham com a gente, isso não é maravilhoso?!

Hoje quem conta sua experiência é minha amiga Patrícia Uebe Mansur Connor, que compartilha conosco sua viagem à cidade de Fredericksburg, no Texas, e a experiência no Enchantes Rock State Park. Patrícia é médica veterinária e mora em Houston (Texas, EUA) com o marido Adrian. E prometeu que vai compartilhar mais viagens conosco.

Vamos viajar com eles?!

Textos e fotos: Patrícia Uébe Mansur Connor

A ideia era viajar para o Enchanted Rock State Natural Area, para um fim de semana de trilhas e escalada, e conhecer a pequena e histórica cidade de Fredericksburg, de colonização alemã, datada em 1846 e famosa por sua culinária e produção de vinhos!

No coração do Texas, Fredericksburg fica entre San Antônio e Austin, a aproximadamente 382 km de distância de Houston. (cidade onde Patrícia e Adrian moram atualmente)

Malas prontas para o nosso fim de semana de aventura!

A região é denominada Hill Country, famosa no Texas por causa de seus morros e montanhas. A paisagem é deslumbrante, repleta de rios, lagos e vinícolas que encantam qualquer viajante. Durante a viagem, e já nos aproximando de Fredericksburg, passamos por várias fazendas, ranchos, plantações de frutas e verduras orgânicas. O estilo de vida local é rústico – marca registrada do Texas. Interessante de se ver!

Começamos o sábado fazendo uma trilha de 6,5 km no Enchanted Rock State Park (em português: Parque Estadual da Pedra Encantada). O Parque fica dentro dos limites do Fredericksburg, 19 km ao norte da cidade. A rocha é a segunda maior formação de granito na América do Norte.

Uma parte da nossa trilha foi em chão de terra e a outra, por cima da rocha. O visual é inusitado e encantador, pedras com tamanhos diferentes tornam a região ainda mais exótica, e como aqui é primavera, o parque estava todo florido.

É muito importante estar com calçados apropriados para não escorregar.

A nossa ideia era fazer um “tour” de reconhecimento pelo Parque no sábado e retornar no domingo para a nossa tão esperada escalada nas pedras.

Saímos do Parque famintos, direto para o centro histórico de Fredericksburg. Na parte histórica da cidade fica a rua conhecida como main street (rua principal) mais movimentada e turística.

Os prédios antigos estão muito bem preservados e hoje alocam bares, restaurantes, lojas de pipoca (nunca tinha visto uma loja só de pipocas), sorveteria, lojas de vinhos (produzidos na região e abertas a degustação), cervejarias, vários antiquários, muitas lojinhas de roupas, decoração e acessórios de bom gosto.

Os detalhes rústicos espalhados pela cidade eram tantos que a sensação era a de estar dentro de um filme faroeste! (foto Wikipedia)

Nunca tinha visto uma loja só de pipocas!!

The Tasting Place (O lugar de degustação).

Entramos em uma loja super charmosa, chamada Rustlin Rob’s, de comidas gourmet texanas. Lá havia degustação de tudo, tudo mesmo! Pelo letreiro na frente já dizia muito… The Tasting Place (O lugar de degustação).

Podíamos experimentar e repetir quantas vezes quiséssemos, condimentos, geléias, fudges, queijos, doces, entre outros, todos feitos de forma artesanal. Sabores únicos e indescritíveis do Texas.

O link da loja é esse aqui: http://rustlinrob.com e dá para fazer um tour virtual. Super interessante!

Impossível resistir e não sair de lá com a sacola cheia de produtos.

Para almoçar escolhemos o Fredericksburg Brewing Co. (link aqui) . É um brewpub, ou seja, as cervejas são produzidas no próprio local. É considerado o mais antigo brewpub do Texas e as cervejas são indicadas como The best of Texas – as melhores do Texas. São realmente espetaculares, assim posso dizer!

Escolhemos uma para saborear e fizemos o menu degustação para experimentar as outras cinco cervejas. Isso mesmo, eram seis tipos de cervejas e todas produzidas no próprio local!

O pub fica na Main street, em um prédio histórico datado de 1890. Possui um salão enorme, onde funciona o pub/restaurante e possui no segundo andar um Bed & brew, são doze quartos decorados de forma rústica.

Achamos interessante observar que as pessoas compravam cervejas e saiam andando pelas ruas do vilarejo (o que é proibido nos EUA). Na pequena e charmosa Fredericksburg é possível degustar cerveja ou vinho enquanto se caminha e admira as belezas do vilarejo texano.

Encerramos o nosso fim de semana nos aventurando nas rochas do Enchanted Rock State Park. Nosso domingo foi dedicado ao rock climbing (escalada na pedra).

Como planejamos o fim de semana para trilhas e escalada, não deu para explorar muito Fredericksburg. Ficaria um dia inteiro na Main street, entrando em cada lojinha e descobrindo um pouquinho da cultura texana.

Há também vários museus interessantes, assim como a biblioteca bem antiga… Fredericksburg é definitivamente um lugar para retornar!

————————————————————————————————————–

Amei as dicas e as experiências da Patrícia e Adrian. Aguardamos outras mais, né pessoal?! 😉

Comente 2

20.04

Estava aqui olhando umas fotos para incluir em mais um vídeo de Paris que estou editando pro canal, e lembrei que não postei nenhum look de lá.

E como eu sei que quando a gente viaja fica meio perdido quanto ao que usar e levar, vou postar os looks, apesar de não curtir muito fazer fotos de looks, vocês sabem…

Estas fotos foram feitas no dia 22 de fevereiro de 2015. Um domingo ensolarado, porém bem frio e com bastante vento.

E usar saia no inverno europeu pode? Pode sim senhor. Desde que com uma boa meia calça térmica. Pra mim não faz a menor diferente estar de calça ou saia, estando de meia calça grossa é tudo igual. A saia é mais uma peça pra dar um toque de style do que pra esquentar de fato, ainda mais no inverno europeu quando quase todos os looks chamam pro preto. Por isso que neste dia dia usei esta saia que tem fios dourados, aí deu uma descontraída. E pra acender o figurino, gola vermelho sangue!! rs

Neste dia eu estava com a meia grossa e por cima coloquei uma meia calça fina preta porque fica um efeito mais bonito, já que geralmente as meias térmicas ou de lã dão umas bolinhas. Guarde esta dica!!

O casacão e a bota de cano alto também seguram bastante o frio. Por baixo do casacão eu coloquei duas blusas. Na primeira camada usei uma camisa de manga comprida fininha (tipo segunda pele), por cima uma blusa de frio de linha (tipo cardigan), e pronto, frio resolvido.

Aí o problema vai pro pescoço, é preciso agasalhar bem, eu só consigo aguentar o frio se estiver com o pescoço bem coberto, assim não entra frio por lugar nenhum. Nas mãos, luvas, senão não dá pra ser feliz. No final da tarde ainda catei meu gorrinho fofo porque caiu o sol e o frio virou gelo… hahaha

Cardigan – Zara / Saia – C&A / Casacão – comprei em Bruxelas / Meia calça grossa – H&M / Meia calça fina – Lupo (by Spartilho) / Bolsa – Carmen Steffens / Gola – Aliexpress / Óculos – Marc Jacobs / Luva – comprei numa lojinha em Paris / Bota – Pisadella / Gorro – H&M

Era um domingo, e neste dia nós tomamos o café da manhã no tradicional Café de Flore, no Boulevard Saint Germain. De lá, pegamos um metrô para a Catedral de Notre-Dame, caminhamos até o Hotel de Ville, depois um pouco pela Rue de Rivoli. Dali partimos andando até o Rio Sena e caminhamos pela beira do Sena sem lenço nem documento, num dia lindo de sol, mas com bastante vento.

Caminhar pelo Rio Sena é programa imperdível em Paris porque ele é cercado por prédios imponentes e lindíssimos e alguns dos principais cartões postais de Paris. E fazer isto num domingo foi ainda mais especial. Muitos parisienses passeando na rua, um clima maravilhoso!

Nossa longaaa caminhada (haja fôlego) terminou no final da tarde na belíssima Ponte Alexandre III.

Catedral de Notre-Dame.

Ponte dos Cadeados.

Pôr do sol incrível na Ponte Alexandre III com a Torre Eiffel ao fundo.

Final da nossa caminhada do dia: Ponte Alexandre III com o Palácio dos Inválidos ao fundo.

comente!

21.03

Gente, como assim que esqueci de postar o novo video de Paris aqui?? Inscreva-se no canal e fique sabendo dos vídeos primeiro, assim não tem erro… rs Mas claro que depois sempre posto aqui.

Bom, neste vídeo eu compartilho com vocês meu terceiro dia em Paris. Um dia frio (pra variar) e chuvoso, que não me permitiu filmar tanto quanto gostaria, mas também não me impediu de gravar os melhores momentos. Só alguns que ficaram off porque o vento gelado + chuva me faziam esquecer de tirar as luvas.

Vamos lá… no episódio do vlog de hoje tem Museu do Louvre e Pont des Arts (Ponte dos Cadeados)… e outras “cositas” mais.

Vocês já  viram os vídeos e posts anteriores?

Vôo Iberia Rio-Madrid e chegada em ParisVídeo aqui

Vlog Paris | Torre Eiffel, Arco e Champs Élysées Video aqui e Post com fotos aqui.

E já está no ar no YouTube o Vlog | De Paris a Bruxelas de trem – Dia muito especial >> assista aqui.

Pessoal, visitar o Louvre é uma emoção incrível, é como passear no meio da história e até fazer parte dela por um momento. Farei um post só sobre ele, com fotos que fiz lá, mas vou adiantar e deixar algumas aqui.

É a incrível oportunidade de ver com seus próprios olhos muita coisa que a gente já leu nos livros de História ou já assistiu em filmes. Pena (ou não) que é gigante, você não aguenta a pressão e precisaria de algumas outras tantas visitas para conhecer um pouco mais.

Um café de bom dia para acordar o corpo e aquecer o  coração… É de lei!!

Olha elazinha… Mona Lisa, a mais notável e conhecida obra de Leonardo da Vinci, um dos mais eminentes homens do Renascimento italiano. 

Sua pintura foi iniciada em 1503 e, provavelmente, é o retrato mais famoso na história da arte, senão, o quadro mais famoso e valioso de todo o mundo.

A multidão aglomerada para vê-la.

É para essa obra que Mona Lisa passa o dia olhando… O maior quadro do Louvre , “As Bodas de Canaã”, de Paolo Veronese, que retrata o casamento, em cuja ocasião Jesus transformou água em vinho. Lindo lindo!

Fiquei encantada com esta vista. Aí eu estou embaixo da pirâmide, e essa escada é a que dá acesso ao seu interior (e saída do museu), onde tiramos a foto abaixo.

Dentro do Louvre tava quentinho…

Mas lá fora… Aff!! Olha a fila gigante, e o povo embaixo de chuva. Por isso aconselho sempre pegar o metrô e descer na estação Palais Royal, que já sai dentro do Louvre.

Tem fila (e muita), mas ainda assim é menor e você fica protegido do sol e da chuva. Aí deixa as fotos da pirâmide para a saída. Fica a dica!!

Arco do Triunfo do Carrossel. Lindo e gigante!  É um monumento datado de 1809, construído por Napoleão Bonaparte, em homenagem ao seu Grande Exército. Está localizado diante do Louvre, na Praça do Carrossel.

Maridão fez fotos do look do dia… hahaha… ele tá demais!!! E eu que nem gosto de posar pra fotos (de verdade!!!) acabo entrando na dele.

Pra quem diz que frio é psicológico! kkkk Estando embaixo do Arco do Triunfo do Carrossel a vista é esta: Avenida Champs Élysées, com o Arco do Triunfo láaaa ao fundo, quase sumindo por causa do tempo fechado.

Embaixo de chuva caminhamos até a Pont des Arts (Ponte dos Cadeados) e Sergio conseguiu um lugar para prender o nosso.

O nosso foi customizado, claro. Levei prontinho. Pintei com esmalte verde e usei uma caneta preta para esmalte para fazer as iniciais, e um esmalte rosa para fazer o  coração. Tinha que ter, né. Apaixonei por ele. rs

Não acredito em lenda, tampouco em simpatia para ter um amor eterno. Mas diz se não é romântico prender nosso cadeadinho lá, um gesto simbólico, para registrar nossa passagem por Paris. E como Sergio mesmo disse, deixamos nossa marquinha lá e temos um poste para chamar de nosso: o cadeado foi preso ao lado do segundo poste à esquerda da ponte. Dois dias depois passeávamos pelo Sena e passamos só para conferir se ele continuava  por lá kkkk

A estruturas dos parapeitos da ponte já não estão aguentando mais o peso dos cadeados, por isso tapumes foram colocados para evitar que pendurem mais naquelas áreas, mas há vários pontos liberados e não há nenhuma autoridade proibindo, nem li nada oficial sobre esta proibição que algumas pessoas comentam nas redes sociais. Alguém sabe a respeito?

Caminhamos pela Rue de Rivoli,  visitamos as lojas, compramos lembrancinhas, comemos crepe e láaaa no final da noite paramos no restaurante Le Carrousel para o jantar, em frente ao Jardim de Tuileries. Depois falo melhor do restaurante…

Uma noite linda, chuvosa… E que tal um entrecôte, típico prato francês, para fechar a noite? Perfeito!

Quem aí quiser receber meu roteiro de viagem para ter uma ideia dos passeios, distâncias, linhas de metrôs, enfim… só deixar um comentário com seu email aqui embaixo que eu te envio por email.

Bonsour!!

Comente 6